Para a medição eletrônica de temperatura podemos encontrar dois tipos principais de termoelementos: os termopares e as termorresistências. Esse artigo descreve o princípio de funcionamento de cada um desses termoelementos e destaca as principais diferenças entre eles.

Termopar

A medição de temperatura por termopares ocorre através da junção de dois condutores metálicos (metais diferentes) unidos nas extremidades formando um circuito. Essas junções, submetidas a temperaturas diferentes geram uma força eletromotriz (fem); fenômeno conhecido como Efeito Seebeck. Quanto maior o gradiente de temperatura na extremidade do termopar, maior é a energia cinética nos elétrons. Quanto maior essa energia cinética, mais os elétrons se acumulam no lado frio do termopar, ocasionando uma diferença de potencial elétrico entre as extremidades em forma de tensão (mV). Ou seja, o termopar transforma diretamente energia térmica em energia cinética.

Termopares são especialmente adequados para temperaturas elevadas até 1.700 °C. As opções de instrumentos com bainha de isolação mineral são altamente resistentes contra vibrações (depende do tipo de instrumento, elemento sensor e das partes em contato com o processo). Os termopares WIKA estão disponíveis com os limites de erros conforme normas ASTM E230 / IEC 60584.

Termorresistência

A medição por termorresistência tem um coeficiente positivo de temperatura e ocorre através do princípio da agitação térmica nos metais, ou seja, com o aumento da temperatura do meio há o aumento da resistência elétrica da termorresistência. As termorresistências WIKA são adequadas para aplicações entre -200 … +600 °C (depende do tipo de instrumento, elemento sensor, classe de exatidão e partes em contato com o processo). Para todas as termorresistências as classes de exatidão AA, A e B estão disponíveis. Elas apresentam os limites de erros conforme IEC 60751.

O principal tipo de termorresistência é Pt100. O Pt100 é uma termorresistência feita de fios de Platina encapsulados em um bulbo de cerâmica ou vidro, na qual sua resistência a zero grau célsius é 100 ohms. Em processos industriais, os sensores Pt100 são frequentemente os mais utilizados e mundialmente o tipo mais comum de termorresistência.

Principais diferenças entre termopar e termorresistência

Termopar:

  • Baseia-se na tensão
  • Maior resistência a temperaturas
  • Mais econômicos

Termorresistência:

  • Baseia-se na resistência
  • Maior precisão
  • Curva de resistência em função da temperatura mais linear


2 respostas para
  1. Jefferson Fernando Sá de Ataíde

    Muito Boa matéria!


Deixe uma resposta