Como saber quando você deve escolher um pressostato mecânico ou decidir por utilizar um pressostato eletrônico? Ambos oferecem vantagens, mas também tem suas limitações. Entre outros aspectos, há diferenças nas áreas de aplicação para pressostatos mecânicos e eletrônicos. Com a leitura, esperamos auxiliá-lo na definição do melhor pressostato para sua aplicação.

Áreas de aplicação para pressostatos mecânicos

Os pressostatos mecânicos são usados frequentemente quando o orçamento é limitado e somente os pontos de atuação são necessários (sem a necessidade de indicação de pressão). São usados frequentemente em aplicações criticas onde ele atua em aplicações de segurança adicional ou redundante (em conjunto com outros instrumentos). Mesmo que eles permaneçam inativos por um longo período de tempo, eles transmitem um sinal de comutação imediata quando a pressão excede a pressão do ponto crítico predefinido (set point). Para o controle do processo, os pressostatos mecânicos não são a primeira escolha em sistemas de comutação, uma vez que eles são frequentemente afetados pelo desgaste mecânico, causando desvio de sinal ou mesmo uma falha prematura.

Áreas de aplicação para os pressostatos eletrônicos

Os pressostatos eletrônicos são usados onde diversos parâmetros de atuação, como estabilidade e flexibilidade, do controle são importantes. Como pode have a necessidade de alteração dos pontos de atuação (set point) durante a vida útil do pressostato, são ideais para utilização em equipamentos automatizados e sistemas de controle, pois possuem características facilmente programáveis. O pressostato eletrônico é a principal escolha sempre que características como: sinais de saída analógicos adicionais, indicação local, ajuste flexível ou programação de funções forem necessárias.

Nota
Mais informações sobre pressostatos mecânicos e pressostatos eletrônicos podem ser encontrados no site da WIKA.

Veja também nosso artigo:
Pressostatos mecânicos vs. pressostatos eletrônicos: Funcionalidade



Deixe uma resposta