Como decidir entre pressostatos mecânicos ou eletrônicos em sua aplicação? Cada tipo de pressostato tem vantagens individuais, mas também suas limitações. As principais diferenças na funcionalidade entre os pressostatos mecânicos e eletrônicos são: a maneira que a pressão aplicada é usada para operar o comutador, o tipo de tecnologia do comutador e como o ponto de comutação pode ser ajustado.

Funcionalidade dos pressostatos mecânicos

Um pressostato mecânico converte a pressão de um fluido em um movimento que aciona o contato do pressostato no ponto de atuação (set point). O pressostato é predefinido individualmente em um ponto de comutação mecanicamente ajustável. Cada vez que o interruptor é acionado, o pressostato mecânico emite um sinal elétrico, mas não necessita de uma fonte de alimentação.

Normalmente, os pressostatos mecânicos são dispositivos simples que são projetados para aplicações econômicas com um bom custo benefício ou otimizados para o uso a longo prazo, dependendo da frequência de atuação do contato. Sendo assim, os contatos elétricos são projetados para uma baixa frequência de atuação (poucos ciclos de comutação, como por exemplo em aplicações de segurança) ou para uma alta frequência de atuação (mudanças frequentes de comutação, como por exemplo no controle de processos). A histerese geralmente não é ajustável, assim, o ponto de reinicialização (reset) para comutação não pode ser configurado e é predefinido por configuração de fábrica.

Os pressostatos mecânicos são usados frequentemente para chavear correntes elevadas, tais como em aplicações em bombas e controle de movimento. Entretanto, os contatos mecânicos possuem problemas em atuações utilizando tensões muito baixas nos CLPs ou outros controladores eletrônicos, exceto os modelos de contato elétrico banhados a ouro.

Funcionalidade dos pressostatos eletrônicos

Um pressostato eletrônico gera sinais de atuação eletrônicos (transistorizados) e, muitas vezes, também possuem um sinal de saída analógico proporcional à pressão. Eles são configurados de fábrica para os pontos de comutação desejados (set point), porém também apresentam uma interface de programação com visor integrado e botões. Outras versões são configuráveis via software.

Os pressostatos eletrônicos possuem a lógica integrada e programável. Ou seja, permite que os pontos de comutação (set point) e o sinal de saída sejam adaptados às necessidades específicas de aplicação. Características como: tempo de atraso, ponto de comutação (set point), reset, histerese ou funções de atuação em janela, contato normalmente fechado ou normalmente aberto, e muitas outras funções podem ser programadas em pressostatos eletrônicos.

O display de um pressostato eletrônico, fornece também uma indicação de pressão contínua e mostra se as saídas de atuação estão ativas ou não. Por último, mas não menos importante, o uso de tecnologias como o IO-Link, permitem programá-los a distância.

Nota
Mais informações sobre os pressostato mecânicos e eletrônicos podem ser encontrados no site da WIKA.

Veja também nosso artigo:
Pressostatos mecânicos vs eletrônicos: áreas de aplicação


Deixe uma resposta